Entrevista ao Dexista, Radioescuta e Radioamador Hugo Timm Alves (HTA), da cidade de Arapoti, Paraná – Brasil.

DXCSF: Há quanto tempo é Dxista?
HTA: Sou radioamador desde 1997, e dexista posso dizer que desde criança (ou seja, rádio é amor e paixão desde que “me conheço por gente”).

DXCSF: Quais as emissoras que ouvia e qual marcou sua trajetória no início do hobby?
HTA: Eu gostava de ouvir a Rádio Globo RJ, Rádio Bandeirantes SP, Rádio Clube Paranaense PR e Rádio Guaíba de Porto Alegre-RS (em ondas curtas e ondas médias); Rádio Tupi RJ, Rádio Capital SP e Rádio Record SP em Onda Média. A que marcou mesmo foi a Rádio Globo RJ com o programa Turma da Maré Mansa com Antonio Luiz (in memorian). Adorava ligar o rádio e ficar junto do meu pai: ríamos muito. Ainda tenho uma gravação deste programa, e de vez em quanto mato a saudade.

DXCSF: Das emissoras ouvidas no início do hobby qual programa lhe chamava atenção, a emissora ainda está ativa?
HTA: Sim, a Rádio Globo do Rio de Janeiro (mas infelizmente não em ondas curtas e não com o programa que mais gostava).

DXCSF: Na atualidade qual a emissora que mais ouve e o programa que participa?
HTA: Ouço a Rádio Aparecida (depois que a Rádio Bandeirantes deixou as ondas curtas). Participo do Encontro DX.

DXCSF: Já participou nas emissoras sendo entrevistado, qual ou quais e que ano?
HTA: Já fui entrevistado por Cassiano Macedo, do programa Encontro DX, quando nos conhecemos na Fenarcom em Indaiatuba-SP. Acredito que foi em meados de 2010.

DXCSF: Qual a emissora que ouviu e que achou que foi a mais difícil de escutar?
HTA: Me dediquei por muitos dias a fio para conseguir escutar a Rádio Nacional Arcángel San Gabriel - LRA36, localizada na Antartida Argentina. Mandei informes de recepção mas nunca recebi resposta.

DXCSF: Qual a sua opinião em relação às emissoras que abandonaram e das que estão pensando em abandonar as ondas curtas. As novas tecnologias realmente vieram para dar um fim às ondas de radio de um modo geral qual a sua opinião?
HTA: As tecnologias estão aí batendo a nossa porta. Elas não vieram diretamente para dar fim as ondas curtas, mas a facilidade, os menores investimentos, a qualidade do som e a possibilidade de se escutar uma emissora em qualquer lugar do mundo (que tenha acesso a internet) contagiou a maioria das pessoas. E ainda mais: toda essa tecnologia veio a poluir o espaço radioelétrico, prejudicando as bandas de radiodifusão. Mas a minha preferência e paixão ainda é o rádio.

DXCSF: Os eventos (concursos) que o DXCSF vem realizando qual a sua opinião?
HTA: Acho uma iniciativa muito válida e legal, pois incentiva a que dediquemos um tempo para realizarmos e anotarmos as escutas. E ainda podemos compartilhar e conhecer as informações com outros dexistas.

DXCSF: O que é o hobby do dexismo (dxismo) pra você?
HTA: É um prazer. Quando ligo meu radinho, me desligo do trabalho, das preocupações, dos problemas e do estresse. Ao escutar as emissoras distantes, fico pensando e imaginando como pode ser este local, a cultura, as pessoas. Tudo depende do que está sendo transmitido. Me recordo que um dia ao escutar a Rádio de Portugal, tocava uma música clássica muito bonita: fiquei por alguns instantes concentrado, sentindo que estava lá. Eu viajo pelo mundo inteiro sem sair de casa, gastando apenas pilhas. Não perco tempo escutando rádio, mas sim ganho conhecimento, saúde e paz. E de vez em quando a gente recebe um QSL para marcar aquela escuta, e pode mostrar aos amigos e conhecidos. Isso é dexismo para mim.

DXCSF: Já participou de eventos dexista?
HTA: Infelizmente não.

DXCSF: Já visitou alguma emissora internacional?
HTA: Infelizmente não. Estive na Argentina a alguns anos atrás e por problemas de logística da viagem perdi a chance de conhecer a Radio Difusión Argentina Al Exterior.

DXCSF: Quantos países confirmados? Quantos QSL’s?
HTA: 12. São eles: República Tcheca, Espanha, Holanda, Eslováquia, Cuba, Canadá, Argentina, Portugal, China, Romênia, Alemanha, Japão.

DXCSF: Coleciona alguma coisa?
HTA: Rádios. Devo ter uns 30 entre receptores e transceptores. Infelizmente só tenho os mais atuais, mas gostaria muito de ter alguns antigos (principalmente rádio valvulado com olho mágico).

DXCSF: Algo mais que deseja informar ou comentar? Alguma mensagem para os nossos amigos leitores e Dexistas?
HTA: Há alguns anos, quando escutava as transmissões em Português para a África da Deustche Welle, eles lançaram um pedido de informes de recepção, sendo que ao final do ano seriam sorteados dois rádios. Eu como amo ondas curtas, enviei um informe com as condições da escuta, mesmo não estando no País de destino das emissões. Tive a grata surpresa de receber a mensagem que eu havia sido um dos sorteados. Guardo este aparelho com muito carinho, como um troféu. Pouco tempo depois a DW deixou as transmissões em onda curta.

Entrevistas anteriores

Entrevista a Adrián korol, Diretor da RAE Argentina ao Mundo

Entrevista a Luis Valério Valladão, Dexista e Radioescuta

Entrevista a Nelcy Remedy Bidart, Dexista e Radioescuta